Hello

Esse é um blog que é um desabafo e uma tentativa de mostrar as pessoas aquilo que Deus me mostra todos os dias. Espero que eu possa ser um pouco útil para você que lê. Beijoos

31 de mai de 2010

Amor incondicional


Todos nós pensamos em como seria ter u amor incondicional, do qual não poderemos duvidar, o qual não podemos se quer questionar. Infelizmente muito ainda não sabem que esse amor existe. Muitos ainda estão meio perdidos numa escuridão na qual nãos e tem amor para iluminar o caminho. Bem, se você é um desses tenha certeza de que você está lendo o blog certo, porque existe um amor assim. O amor de Deus
O amor de Deus é tão perfeito que é relatado em toda a Bíblia, é sentido na minha vida e tenha certeza, na sua também. Em João 3: 16 fala assim: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." Esse é um dos relatos que mostra o único amor capaz de te tirar do abismo através da morte de um filho. Mas, de modo algum é UM filho, é O Filho, o Filho de Deus. Deus é um Pai perfeito, o que não mede esforços para ter Seus filhos protegidos e salvos. E assim Ele o fez, pelo sacrifício de Cristo Jesus somos salvos e saímos do cativeiro do pecado.
Não há ato de amor maior na história. Jesus sofreu o que eu e você deveríamos sofrer, mas Ele pegou nossas dores e levou sobre si. Deus mandou Seu único Filho para que pudéssemos ter vida eterna e em abundância. O amor de Deus não foi só promessa, foi ato, foi cumprimento. O envio do Verbo (Jesus) foi a revelação máxima de algo que já é provado desde o início do mundo: Deus nos ama e nos quer reconciliados com Ele. Nosso Deus não é distante, Ele é próximo, Ele é acima de tudo: amoroso.



"Quero fazer, nascer o sol de um novo dia pra você

Trazer a minha luz, pra te mostrar os meus caminhos
Eu vou estar sempre aqui esperando por você
Eu não me cansarei de te mostrar...

Que eu acredito em você
Ouça a minha voz
Te estendo minhas mãos
Meu amor é incondicional"

Trecho de Incondicional - Oficina G3

Filhos




"Hebreus 12: 5b-7 "Filho meu, não menosprezes a correção que vem do Senhor, nem desmaies quando por ele és reprovado; porque o Senhor corrige a quem amam e açoita a todo filho a quem recebe. É para a disciplina que perseverais (Deus vos trata como filhos); pois que filho há que o pai não corrige?"


Nestes versículos claramente se fala do papel de Deus como pai que nos mostra o caminho que devemos andar, e que muitas vezes nós precisamos de uma disciplina mais rígida para realmente entendermos o certo a se fazer. Mas, uma perspectiva q eu queria falar é do filho neste caso. O filho que realmente se submissa à vontade do pai é o que é disciplinado, entende o porquê daquilo e o melhor, começa a praticar. O filho é tocado pelo pai e a partir dali e tem material para fazer uma escolha consciente: obedecer ou não.

É a partir dessa escolha q nos tornamos realmente filhos de Deus, porque apenas o que ama obedece, e o que ama a Deus é seu filho. Então quando percebemos uma correção de Deus não é pra termos raiva, ela é mais uma lição que precisamos aprender para lidar com um problema futuro que pode ser causado pelo mundo ou por nós mesmos. Temos q ver cada correção como uma oportunidade dada pelo Pai q não nos abandona e que tenta sempre nos manter firmes no caminho dEle, ou seja, o melhor e certo. Mas, não podemos menosprezar e/ou desmaiar... porque se isso acontecer, de nada serve a disciplina, vai ser uma tentativa de ensino que o q deveria prestar atenção, ser o maio beneficiado, ou seja, nós... não é beneficiado. Então, aqui está uma pergunta: você quer jogar fora o aprendizado ou quer aproveitá-lo para sua vida?... sendo que para aproveitá-lo você deve ser submissa a vontade do Pai Celeste, obedecer e buscá-lO.

10 de mai de 2010

Julgar....


"Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado." Este trecho de William Shakespeare é o início de mais um post meio carente de criatividade, mas cheio de vontade de ser escrito. Desde sexta feira, estou com um ressentimento guardado devido a um acontecimento meio chato na minha vida, e desse ocorrido fiz um julgamento. Julguei-me certa e a outra pessoa culpada. Julguei-me digna de perdão e a outra, de condenação. E o pior: condenação feita por mim, vingança feita por mim. E sabe qual o pior de tudo isso? Foi ver o quão errada eu estava, o quão ingênua estava sendo, o quão imatura e egoísta eu estava sendo. Não nego que ainda sinto este ressentimento e até raiva, mas uma coisa mudou. Eu percebi, claro que não sozinha e sim com a ajuda do Espírito Santo, que eu não estava certa também. E que eu estou sempre pecando, por isso não posso julgar ninguém. Não tenho o mínimo poder ou não estou na posição de melhor do que alguém para condenar um ato alheio. Eu, simplesmente, não posso jogar uma pedra se também sou pecadora. O único que não tem pecados e que poderia jogar alguma coisa, não o faz. Jesus nunca jogou nada nos pecadores, Ele apenas nos trouxe a verdade. Ele nos trouxe a misericórdia e a graça de Deus reveladas, em sua magnitude, na figura do Filho do Homem. O único julgamento que o Pai nos dá é de redenção, portanto, se Ele que é o Todo Poderoso, não nos julga como pecadores imperdoáveis... quem somos nós, pecadores imperdoávies, para julgar o próximo? Para apontar o erro de alguém? Por que não fazemos como Paulo e nos julgamos os maiores pecadores? Por que não paramos de olhar os erros alheios, os quais são mais fáceis de apontar, e olhamos os nossos próprios deslizes? A resposta é: somos imperfeitos, e quem está nessa condição nunca s auto-analisa. Mas, temos que ter a convicção a partir de agora, que o único capaz de julgar com justiça e retidão é Deus. A vingança é dEle, o julgamento é dEle, a condenação é dEle. E acima de tudo, a redenção é dEle.

2 de mai de 2010

Obediência...


"Submissão não tem a ver com autoridade e não é obediência. Tem a ver com relacionamentos de amor e respeito". A cabana. Não sabia como começar esse texto e procurei uma frase, e achei que essa poderia ser uma boa para falar do que eu quero. Obediência. Eu sei que a primeira palavra dessa citação é submissão, mas... submissão e obediência não andam juntas? Não são conceitos que se completam? E principalmente, não são pedidos de Deus?


A resposta para todas essas perguntas é: sim. Esses dois conceitos estão atrelados àquilo que Deus nos pediu: cumprimento de Sua vontade. Às vezes, eu percebo que não cumpro o que está na Palavra e penso: não tem problema. Mas, quando vejo o que a desobediência acarreta, eu percebo que há um grande problema. Muitas coisas desandam porque me entreguei, mesmo que pó um momento às coisas ruins que o mundo me seduz a seguir.


Lá em João 14: 21, Jesus diz: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.” Esse versículo sintetiza o que acontece com os que obedecem os preceitos que Deus nos apresenta na Sua Palavra. Somos amados de Deus quando O obedecemos. E demonstramos nossa gratidão e nosso amor para com Ele, porque não devemos seguir os mandamentos para ganhar coisas de Deus e sim, pelo amor que Ele nos dá e que nos constrange a amá-lO de volta e nos faz submissos e obedientes.


Porém, não podemos negar que quando andamos no caminho que o SENHOR nos mostra obtemos prosperidade, Salmos 37: 5 demonstra isso: “Entrega teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará.” O que Davi fala é que quando nós dependemos de Deus, nós possuímos as maiores riquezas, porque nós temos o Pai do nosso lado e nada é melhor do que isso.


Portando, o que podemos ver é que o melhor caminho é, foi e sempre será a obediência. Apenas quando nos entregamos ao Pai que poderemos ter acesso pleno às Suas bênçãos, nunca esquecendo que tudo conspira para os que nEle crêem. Então... nunca esqueça o que está escrito em Deuteronômio 6: 24: “O SENHOR nos ordenou cumpríssemos todos os estatutos e temêssemos o SENHOR, nosso Deus, para o nosso perpétuo bem, para nos guardar em vida, como tem feito até hoje.”